Início da segunda fase do Projeto Rural Sustentável Cerrado

Financiado pelo Governo do Reino Unido, projeto vai aplicar mais de R$ 100 milhões em 4 anos na implementação de tecnologias agrícolas de baixa emissão de carbono

Como aumentar a produtividade agrícola sem agredir o meio ambiente? Esse é um dos grandes desafios atualmente no mundo e o que move o Projeto Rural Sustentável – Cerrado: até agosto de 2023, atuação nos estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, com abrangência em 100 municípios.  E o primeiro passo para a concretização desta iniciativa é a etapa de cadastramentos, já disponíveis nesta segunda, 15/06. É a partir desse primeiro contato que o público saberá como se envolver e demais informações sobre o funcionamento do projeto.

O PRS – Cerrado vai atuar com produtores e produtoras rurais, instituições de ensino superior e de pesquisa e desenvolvimento, estudantes do ensino técnico e superior, escolas de ensino médio e fundamental, organizações produtivas (como cooperativas e associações), gestores e gestoras públicos, além de técnicos e técnicas rurais e entidades de assistência técnica do setor público e/ou privado (as ATERs). Com um arranjo institucional inovador, que envolve as instituições idealizadoras, beneficiário, executor e apoio científico, o PRS - Cerrado é resultado de parcerias: Governo do Reino Unido, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS) e Associação Rede ILPF, por meio da Embrapa.

O porquê participarem?

 Para além do apoio técnico na implantação de práticas agrícolas de baixa emissão de carbono, a partir dos sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) e da Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD), apoio para fortalecer organizações produtivas e comercialização da produção, ações de conscientização, formação, capacitação e pesquisa e facilitação do acesso ao crédito por meio de instrumentos financeiros disponíveis no Brasil e/ou no mercado internacional serão alguns dos benefícios desenhados para cada público do projeto.

A atuação no bioma Cerrado traz aprendizados vivenciados durante o Projeto Rural Sustentável – biomas Mata Atlântica e Amazônia, que melhorou a gestão da terra e das florestas por produtores(as) rurais em suas propriedades.

 


Início dos cadastramentos na próxima segunda, 15

Financiado pelo governo do Reino Unido, projeto atuará em 100 municípios dos estados de GO, MG, MT e MS com a implantação de agricultura de baixa emissão de carbono

Produtores e produtoras rurais, instituições de ensino superior e de pesquisa e desenvolvimento, estudantes do ensino técnico e superior, escolas de ensino médio e fundamental, organizações produtivas (como cooperativas e associações), gestores públicos, além de técnicos e técnicas rurais e entidades de assistência técnica do setor público e/ou privado (as ATERs). Todos esses atores dos estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul podem, a partir da próxima segunda-feira, 15/06, se cadastrar no Projeto Rural Sustentável – Cerrado. É o primeiro passo para que esse público receba informações sobre o funcionamento do projeto e como se envolver.

Será oferecido apoio às organizações de produtores(as) a fim de fortalecer a organização produtiva e a comercialização da produção agrícola sustentável. Ações de conscientização, formação, capacitação e pesquisa também serão desenvolvidas, além de ações e incentivos coletivos, tanto diretamente às instituições, quanto, a produtores e produtoras, com a facilitação do acesso ao crédito por meio de instrumentos financeiros disponíveis no Brasil e/ou no mercado internacional.

Sobre o Projeto

 Durante 4 anos, com investimentos que ultrapassam R$ 100 milhões, o Projeto Rural Sustentável – Cerrado objetiva implantar práticas agrícolas de baixa emissão de carbono, a partir dos sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) e da Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD). A atuação conjunta dos diversos públicos envolvidos buscará soluções sustentáveis, junto a milhares de produtores e produtoras rurais, para otimizar o uso da terra, diversificar renda, aumentar a produtividade, reduzir a pressão por abertura de novas áreas com vegetação nativa, além de mitigar as emissões de gases de efeito estufa.

 Somos financiados pelo Fundo Internacional para o Clima do Governo do Reino Unido, em cooperação com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), tendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como beneficiário institucional. O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS) é o responsável pela execução e administração do projeto e a Associação Rede ILPF, por meio da Embrapa, é a responsável pela coordenação científica e apoio técnico.