Edital seleciona 3 mil propriedades rurais e 26 Organizações Socioprodutivas

Com o propósito de implantar práticas produtivas de baixa emissão de carbono em propriedades rurais de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, além de contribuir para o fortalecimento de agrupamentos formados por coletivos de produtores(as) rurais, está aberta a Chamada para Seleção Integrada de Organizações Socioprodutivas (OSPs) e Unidades Multiplicadoras (UMs).

O edital selecionará 26 OSPs e 3.000 UMs nos quatro estados, 13 microrregiões e 101 municípios de atuação do projeto. A submissão de propostas terá início em 25 de janeiro e se estende até 01 de março.

O diferencial deste processo seletivo está no tratamento integrado e complementar dos atores envolvidos, de forma a construir um legado de sustentabilidade após o encerramento da implementação das diversas atividades do projeto. A proposta reúne benefícios diretos para as OSPs, mas também oferece vantagens individualizadas. Enquanto haverá Benefícios Coletivos a partir de contrapartida financeira ou não, as vantagens individuais para que produtores e produtoras rurais participem do processo seguem por outras frentes de apoio, como assistência técnica gratuita, ações formativas e de capacitação direcionada, acesso a ações de apoio e incentivo fiscal, tributário e certificação de propriedades, participação em premiações e em Dias de Campo.

Acesse o edital para Seleção Integrada de Organizações Socioprodutivas (OSPs) e Unidades Multiplicadoras (UMs) 

O que são Organizações Socioprodutivas e Unidades Multiplicadoras?

As OSPs são pessoas jurídicas sem fins lucrativos e podem ser constituídas como Associações, Cooperativas, Centrais de Associações/Cooperativas, Sindicatos e demais instituições formalmente estabelecidas com linhas de atuação voltadas para práticas produtivas do meio rural. Já as UMs são propriedades rurais onde serão implantadas uma ou mais tecnologias de baixa emissão de carbono apoiadas pelo projeto. É importante destacar que as UMs são diferentes das Unidades Demonstrativas (UDs), locais onde já há a prática de baixa emissão de carbono implantada e que funcionam como uma espécie espelho para as UMs.

As OSPs selecionadas serão beneficiadas uma única vez no projeto, então esta é a única oportunidade para seu envolvimento com o PRS – Cerrado. As organizações precisam organizar os(as) produtores(as) e preparar toda a documentação necessária para a proposta a ser apresentada, mas contarão com o apoio dos canais e equipe do projeto. Para os(as) trabalhadores(as) rurais, o edital não prevê período mínimo de associação à OSP.

Tecnologias agrícolas apoiadas

As iniciativas apoiadas pelo projeto visam a implementação de sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), entendidos pelo PRS – Cerrado como sinônimo de Sistemas Agroflorestais (SAFs), e a Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD). A partir dessas tecnologias, a chamada objetiva contribuir com o desenvolvimento rural sustentável no bioma, aumentar a eficiência do uso da terra, a produtividade e incrementar a geração de renda entre produtores(as) rurais.

Sobre o Projeto Rural Sustentável – Cerrado

Financiado pelo Fundo Internacional para o Clima do Governo do Reino Unido, em cooperação com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), tendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como beneficiário institucional, o PRS – Cerrado é resultado de parcerias que objetivam aumentar a renda e a produtividade de produtores e produtoras rurais do bioma Cerrado, sem agredir o meio ambiente. O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS) é o responsável pela execução e administração do projeto e a Associação Rede ILPF, por meio da Embrapa, é a responsável pela coordenação científica e apoio técnico.


0800 é disponibilizado para dúvidas sobre o edital de UD

Desde o dia 23 de outubro está aberto o edital para selecionar Unidades Demonstrativas (UDs) para o PRS – Cerrado. O prazo vai até o dia 23 deste mês. Para dúvidas sobre o edital, sobre a documentação necessária para participar ou dificuldades no momento do cadastramento, o call center está disponível pelo 0800 038 6616, de segunda a sexta, das 9h às 18h (horário de Brasília). Também é possível tirar dúvidas pelo e-mail chamada.ud@iabs.org ou pelo WhatsApp: 61 9 8413 9285.

Foi elaborado, ainda, um tutorial com o passo a passo para o cadastramento e um vídeo com todas as orientações:

https://www.youtube.com/watch?v=dMB-rQbwv9w&feature=youtu.be

 

O que são as UDs?

As Unidades Demonstrativas são espécies de unidades de referência durante todo o PRS – Cerrado. São nestas propriedades que serão realizados, por exemplo, os Dias de Campo – eventos em que produtores e produtoras poderão conhecer na prática como funcionam a implementação de práticas produtivas sustentáveis e seus benefícios. Para as UDs, o projeto reserva uma série de benefícios, como participação em programas de certificação, assistência técnica gratuita por um ano, apoio financeiro para estruturação da propriedade em até R$ 30 mil, dentre outros. Para ser uma UD, é fundamental que a propriedade tenha implantada alguma das tecnologias agrícolas apoiadas pelo PRS – Cerrado: sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, ILPF, entendida como sinônimo de Sistema Agroflorestal, SAF, ou a Recuperação de Pastagens Degradadas, RPD. Serão selecionadas 170 UDs, nos 4 estados de atuação do projeto: Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Sobre o PRS - Cerrado

O projeto é composto por um arranjo institucional inovador, que conta com instituições idealizadoras, beneficiário, executor e apoio científico: Governo do Reino Unido, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade, o IABS, e Associação Rede ILPF, por meio da Embrapa. Juntos, o objetivo é implantar práticas agrícolas de baixa emissão de carbono, aumentar a produtividade sem agredir o meio ambiente e aumentar a renda de pequenos e médios produtores e produtoras rurais do bioma Cerrado.


Cadastramento aberto para o PRS - Cerrado

Como aumentar a produtividade agrícola sem agredir o meio ambiente? Esse é um dos grandes desafios atualmente no mundo e o que move o Projeto Rural Sustentável – Cerrado: até agosto de 2023, atuação nos estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, com abrangência em 100 municípios.  E o primeiro passo para a concretização desta iniciativa é a etapa de cadastramentos, já disponíveis nesta segunda, 15/06. É a partir desse primeiro contato que o público saberá como se envolver e demais informações sobre o funcionamento do projeto.

O PRS – Cerrado vai atuar com produtores e produtoras rurais, instituições de ensino superior e de pesquisa e desenvolvimento, estudantes do ensino técnico e superior, escolas de ensino médio e fundamental, organizações produtivas (como cooperativas e associações), gestores e gestoras públicos, além de técnicos e técnicas rurais e entidades de assistência técnica do setor público e/ou privado (as ATERs). Com um arranjo institucional inovador, que envolve as instituições idealizadoras, beneficiário, executor e apoio científico, o PRS - Cerrado é resultado de parcerias: Governo do Reino Unido, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS) e Associação Rede ILPF, por meio da Embrapa.

O porquê participarem?

 Para além do apoio técnico na implantação de práticas agrícolas de baixa emissão de carbono, a partir dos sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) e da Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD), apoio para fortalecer organizações produtivas e comercialização da produção, ações de conscientização, formação, capacitação e pesquisa e facilitação do acesso ao crédito por meio de instrumentos financeiros disponíveis no Brasil e/ou no mercado internacional serão alguns dos benefícios desenhados para cada público do projeto.

A atuação no bioma Cerrado traz aprendizados vivenciados durante o Projeto Rural Sustentável – biomas Mata Atlântica e Amazônia, que melhorou a gestão da terra e das florestas por produtores(as) rurais em suas propriedades.

 


Início dos cadastramentos na próxima segunda, 15

Financiado pelo governo do Reino Unido, projeto atuará em 100 municípios dos estados de GO, MG, MT e MS com a implantação de agricultura de baixa emissão de carbono

Produtores e produtoras rurais, instituições de ensino superior e de pesquisa e desenvolvimento, estudantes do ensino técnico e superior, escolas de ensino médio e fundamental, organizações produtivas (como cooperativas e associações), gestores públicos, além de técnicos e técnicas rurais e entidades de assistência técnica do setor público e/ou privado (as ATERs). Todos esses atores dos estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul podem, a partir da próxima segunda-feira, 15/06, se cadastrar no Projeto Rural Sustentável – Cerrado. É o primeiro passo para que esse público receba informações sobre o funcionamento do projeto e como se envolver.

Será oferecido apoio às organizações de produtores(as) a fim de fortalecer a organização produtiva e a comercialização da produção agrícola sustentável. Ações de conscientização, formação, capacitação e pesquisa também serão desenvolvidas, além de ações e incentivos coletivos, tanto diretamente às instituições, quanto, a produtores e produtoras, com a facilitação do acesso ao crédito por meio de instrumentos financeiros disponíveis no Brasil e/ou no mercado internacional.

Sobre o Projeto

 Durante 4 anos, com investimentos que ultrapassam R$ 100 milhões, o Projeto Rural Sustentável – Cerrado objetiva implantar práticas agrícolas de baixa emissão de carbono, a partir dos sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) e da Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD). A atuação conjunta dos diversos públicos envolvidos buscará soluções sustentáveis, junto a milhares de produtores e produtoras rurais, para otimizar o uso da terra, diversificar renda, aumentar a produtividade, reduzir a pressão por abertura de novas áreas com vegetação nativa, além de mitigar as emissões de gases de efeito estufa.

 Somos financiados pelo Fundo Internacional para o Clima do Governo do Reino Unido, em cooperação com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), tendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como beneficiário institucional. O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS) é o responsável pela execução e administração do projeto e a Associação Rede ILPF, por meio da Embrapa, é a responsável pela coordenação científica e apoio técnico.